John Mayer encerra a turnê brasileira no Rio de Janeiro

Ansiedade parecia pouco para descrever o sentimento do enorme público que o cantor levou para Jeunesse Arena nessa sexta-feira (27).
O telão foi só mais um dos elementos que compuseram a mágica da noite, legendando e indicando que era chegado o reencontro com os cariocas. Nesse mesmo telão, a história de The Search for Everything, dividido em 4 momentos, ia sendo contada.

“Full Band” deu nome a primeira parte e contou com a faixa “Helpless” como protagonista de abertura da noite vibrante que estava só começando. E assim foi se dando entre solos na guitarra – instrumento que, diga-se de passagem, John é bem familiarizado – e medleys que aconteciam sem dar tempo da plateia recuperar o fôlego.

O segundo ato, “Acoustic”, se deu com John e seu violão sozinhos, para seguir com os hits mais intimistas: “Daughters”, “Love Is A Verb”, “Split Screen Sadness”, “In Your Atmosphere”. O que mais se viu foram os celulares brilhando na direção do palco, o que mais se ouviu foi a voz de um público unido num grande coro. Ali se deu uma interação entre artista e fã bonita de presenciar, quando Mayer disse não poder estar mais agradecido por ter cada um dos versos cantados e parecendo impressionado quando falou do ganho de sentido que a canção tem quando a energia que tava sendo trocada ali acontece.

Então o John Mayer Trio esteve em cena novamente com o retorno de Jordan e Palladino para um memorável cover de “Cross Road Blues” de Robert Johnson, oportunidade de mostrar ao Rio o que aqueles músicos sabem fazer de melhor: tocar! Foi assim também com “Vultures” e “Wait Until Tomorrow” do maior ícone da guitarra na história da música, Jimi Hendrix. No seu nível mais alto de musicalidade, se encerrou o capítulo de nome “JM3”.

A volta da banda para o palco deu sequencia a quarta parte onde o álbum Continuum foi contemplado. “Belief” + “I Don’t Trust Myself” + “Slow Dancing In A Burning Room” + “Stop This Train” que antecederam a queridinha “Waiting On The World To Change”, sem dúvidas, a mais aclamada desse set.

O cantor se despediu, mas os fãs queriam bis. Assim, após um intervalo breve, os pedidos foram atendidos e John apresentou “In the Blood”, deixando “Gravity” de saideira e causando o arrepio geral que antecedeu os créditos que iam subindo e tornando visível que o sentimento final entre seus fãs, diferente da ansiedade do começo, seria saudade.

Deixe seu comentário

Já curtiu a página do Focka no Facebook? Curta agora ou atualize a página caso já tenha curtido.